Conhecendo o Pentateuco


O QUE É O PENTATEUCO?
O Pentateuco se refere aos cinco primeiros livros da Bíblia. A palavra Pentateuco vem de um vocábulo grego que significa “cinco vasos ou rolos”. Em hebraico, essa seção é conhecida como Torá. Comumente traduzida como “lei”, torah é mais bem traduzida como “instrução”. Assim, a Torá não se limita a seções legais, mais inclui tudo no Pentateuco: genealogias, histórias, leis, discursos e cânticos.


VEJA TAMBÉM:

Em um nível, o Pentateuco é uma coleção de livros.
Em um nível mais profundo, O Pentateuco é a graciosa provisão de Deus para o seu povo. Ele confere uma identidade para o povo de Deus. Fornece respostas às perguntas “O que significa ser o povo de Deus?” e “Como podemos fazer parte do povo de Deus?”

O Pentateuco são as instruções de Deus para uma nação que estava aprendendo a ser o povo de Deus enquanto vivia no mundo.


Por esta razão, o Pentateuco estabelece a base para o restante da Bíblia. Ele explica a origem do universo, das nações e do povo de Deus. Explica a necessidade da intervenção direta de Deus na história humana — o pecado. As histórias mostram como Deus age na vida do seu povo.

OS LIVROS QUE FORMA O PENTATEUCO

1- Gênesis:
O nome Gênesis vem da palavra grega gignesthai, que significa “nascer” ou “ser gerado”. O título hebraico do livro é bereshit, a primeira palavra do livro e que é traduzida como “no princípio”.

O livro de Gênesis é um livro sobre começos. Ele narra o princípio de todas as coisas, das nações e do povo de Deus, Israel. Gênesis abrange muitos séculos — mais anos que qualquer outro livro da Bíblia. Esses anos incluem desde o início do universo até um tempo em que os descendentes de Abraão fugiram para o Egito para escapar de um período de fome por volta de 1800 a.C. Gênesis nos conta sobre o bom começo da criação, o início de todos os problemas humanos e o início da solução de Deus para esses problemas.


LIÇÕES NO LIVRO DE GÊNESIS:

Em Gênesis, vemos que:
Deus é o criador de todas as coisas, do mundo, das nações e de Israel. A criação dá início a uma história de relacionamentos. Deus quer relacionar-se com sua criação, especialmente com as pessoas.

Embora todas as coisas criadas por Deus fossem boas e Ele tenha se agradado delas, os homens abusaram de sua liberdade e, por causa do pecado, romperam seu relacionamento com Deus, uns com os outros e com a natureza.

No entanto, a graça de Deus se estendeu à humanidade. Em vez de deixá-los em sua rebelião e corrupção, Deus prometeu agir diretamente para resolver a difícil situação humana. Ele anunciou a vinda daquEle que esmagaria a cabeça da serpente enganadora (Gn 3.15). Na cruz, Jesus esmagou a cabeça de Satanás.

Deus começou seu plano de restauração escolhendo a família de Abraão para dar início. Ele fez um concerto com Abraão. Deus se relaciona, guia, resgata e provê o sustento para a família que escolheu.

JESUS EM GÊNESIS
Como um livro de começos, Gênesis mostra a origem do maior problema da humanidade: o pecado. Também mostra que Deus, por sua misericórdia, prometeu a solução para esse dilema: “E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15).

Além disso, Deus prometeu a Abraão: “E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12.2,3). Todas essas promessas apontam para a solução final e perfeita de Deus para o estado decaído da humanidade: Jesus, o próprio Filho de Deus.

2- Êxodo
Enquanto Gênesis trata do início de todas as coisas, o livro de Êxodo mantém o foco mais na origem do povo de Deus. Deus dá a Lei a Moisés, porém essa Lei é mais que um simples conjunto de regras de comportamento. As instruções de Deus para Israel moldar a nação e estabelece limites para a segurança do povo.


A Lei mostra a Israel o que significa ser o povo de Deus em meio a
outras nações. Além disso, o livro faz uma conexão entre criação e redenção. No próprio êxodo — a redenção ou libertação de Israel do Egito — Deus cria um novo povo, o seu povo.

Os cinco primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco, que na Bíblia Hebraica de chama Torá, tem o propósito de instruir Israel no que significa ser o povo de Deus em meio a outras nações.

O CENÁRIO:
Há dois cenários principais no livro de Êxodo: o Egito e o deserto.

Para escapar da fome, os filhos de Jacó haviam se estabelecido no norte do Egito, em Gósen (Gn 47.5,6). Os israelitas viveram no Egito em uma época de prosperidade egípcia e poder político. Contudo, as gerações posteriores se tornaram escravos dos
faraós (Êx 1).

Depois que os israelitas saíram do Egito no evento conhecido como
êxodo, viajaram no deserto a caminho do Sinai. Tradicionalmente, muitas pessoas acreditam que o Monte Sinai se localiza na parte sul da península. Todavia, alguns estudiosos acreditam que a montanha poderia se encontrar na parte norte, ou até mesmo fora da península (uma localização possível para a antiga Média).

Ser Povo de Deus
Naquela época: Em Êxodo, Deus chamou seu povo para ser um “reino sacerdotal e povo santo” (Êx 19.6). Mas Ele não os deixou fazer isso sozinhos. O Senhor estava com eles, preparando-os e instruindo-os a como alcançar aquela condição.

A presença de Deus habitava no Tabernáculo no meio do arraial. O Tabernáculo era um lembrete visual de que Deus estava entre eles. Para Israel, ser o povo de Deus era mais do que seguir regras. Tinha a ver com aprender a viver como uma nação santa com um Deus santo entre eles.
Hoje: Jesus promete aos seus seguidores: “eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mt 28.20). Ser um seguidor de Jesus hoje significa aprender a viver com a presença de Deus entre nós.

Jesus em Êxodo
O ministério de Moisés como juiz, sacerdote e profeta antecipou o ministério do próprio Jesus (Hb 3.1-6). A celebração da Páscoa e o sacrifício (Êx 12) nos ajudam a entender o sacrifício de Cristo na cruz em nosso favor. No êxodo, Deus libertou Israel do cativeiro de Faraó com grandes demonstrações de poder. Desta forma, Deus formou um novo povo (Dt 32.18). Agora, Deus nos liberta do cativeiro do pecado e da morte com grandes demonstrações de graça e poder: a morte e ressurreição de Jesus. Em Cristo, Deus nos recriou como um novo povo (2 Co 5.17; 1 Pe 2.10).

3- Levítico
O nome do livro deriva do nome no grego do Antigo Testamento, leyiticon, significando “coisas concernentes aos levitas”. De certa forma, o nome pode dar uma impressão errada, porque Levítico não foi escrito para ser apenas dos levitas.

Ele é um livro de grande importância para todo o povo de Deus. O nome hebraico vayyiqra, que significa “e chamou o Senhor”, segue a tradição de nomear os livros de acordo com a primeira palavra que aparece.

Levítico é o âmago do Pentateuco! Uma das principais funções dos cinco primeiros livros da Bíblia é dar uma identidade ao povo de Deus. Na essência dessa identidade está Levítico; no centro do livro está a santidade. Não é um mero livro de regras, frio e tedioso. Em vez disso, a fonte de santidade é o Deus vivo, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó; o Deus que derrotou os egípcios e dividiu as águas; o Deus cuja presença habita no Tabernáculo. Levítico ensina o povo de Deus como viver em segurança na presença de um Deus
santo.

Cenário:
Levítico ocorre entre os dois anos que Israel passou acampado ao pé do Monte Sinai. Em hebraico, a primeira palavra em Levítico (que é traduzida como “E chamou o Senhor”) conecta a narrativa de Levítico com a narrativa de Êxodo. Ou seja, Levítico continua a história de Israel recebendo as instruções de Deus no Sinai. A principal diferença entre as instruções em Êxodo e em Levítico é que, no primeiro, Deus fala da montanha, ao passo que, em Levítico, Deus fala do Tabernáculo.

4- Números
5- Deuteronômio

QUEM ESCREVEU O PENTATEUCO?

Essa é uma pergunta difícil. Alguns estudiosos afirmam que Moisés escreveu todo o Pentateuco, e eles apresentam bons argumentos para isso. Outros estudiosos afirmam que a coleção de livros passou por um longo processo de escrita, que terminou séculos depois de Moisés ter vivido. Outros ainda admitem que Moisés escreveu parte do conteúdo. Existe ainda entre os estudiosos um debate acerca de quanto desse conteúdo Moisés escreveu — e quanto foi escrito em um longo processo de editar e reorganizar o material.

Os dois principais argumentos para reconhecer Moisés como o autor do Pentateuco são:
Sabemos que Deus ordenou que Moisés escrevesse (Êx 17.14; 24.3,4,7; 32.7-10,30-34;34.27; Lv 26.46; 27.34; Dt 31.9,24,25).

O Antigo e o Novo Testamento reconhecem o Pentateuco como “a Lei de Moisés” (Js 8.31,32; 1 Rs 2.3; Jr 7.22; Ed 6.18; Ne 8.1; Ml 4.4; Mt 22.24; At 15.21).
Contudo, mesmo defendendo Moisés como o autor, muitos estudiosos ainda reconhecem que ele não escreveu todo o Pentateuco.

Moisés provavelmente não escreveu sobre sua própria morte (Dt 34).
Outras passagens usam nomes de cidades que não correspondem à época (Gn 11.31;14.14) ou que falam acerca da humildade de Moisés (Nm 12.3); provavelmente foram escritas por um autor posterior.

O próprio texto indica o nome de fontes antigas usadas nos livros do Pentateuco:

O Livro das Guerras do Senhor (Nm 21.14) e o Livro da Aliança (Êx 24.7).
Outros estudiosos extraem a ideia de fontes antigas além das duas mencionadas no texto. Embora estudiosos mais antigos tenham levado suas visões críticas longe demais e com pouca fundamentação, muitos estudiosos hoje continuam a ver uma importante história de composição dos livros. Não importa o que pensamos sobre como a coleção foi escrita, o Pentateuco é a Palavra de Deus e apresenta o fundamento teológico para o restante das Escrituras.

CARACTERÍSTICAS DO PENTATEUCO

Literatura: A maior parte do Pentateuco é narrativa em prosa de alta qualidade literária.
Isso significa que além de serem livros divinamente inspirados que nos ensinam as verdade sobre Deus e o mundo que Ele criou, os livros do Pentateuco também são belas composições escritas.

O Pentateuco tem dois tipos principais de literatura: narrativas e
leis.
As leis — Êxodo 20, por exemplo — estão encaixadas em narrativas. Elas nos ajudam a entender as leis, e as leis dão limites à nossa vida para que possamos ser pessoas separadas para Deus. Dessa forma, chegamos à compreensão de que o Pentateuco não é sobre Moisés; não é uma biografia de Moisés. O Pentateuco é sobre Deus e seu povo.

PERSONAGENS PRINCIPAIS:

Deus
Deus é o principal interesse do Pentateuco. O Pentateuco não nos conta tudo ou a maior parte do que há para saber sobre Deus. Antes, a importância de tudo que acontece depende da relação com Deus: Deus provocou ou permitiu que acontecesse, e o que aconteceu revela algo acerca do caráter de Deus — sua bondade, santidade, justiça, amor, compaixão — ou nos ajuda a entender como Deus trabalha na história e ao longo dela.

Abrãao
O chamado de Deus a Abraão mostra a iniciativa divida para resgatar a humanidade do pecado e da morte. O Pentateuco ilustra o início do cumprimento das promessas de Deus a Abraão: a descendência numerosa de Abraão, por meio de José eles foram uma bênção para todas as nações do mundo e Deus permaneceu com eles.

Israel
Deus decidiu desenvolver seu plano de salvação em e por meio de Israel, um povo escolhido. Israel torna-se central na grande história da salvação.

Moisés
Talvez Moisés seja a pessoa mais importante no Antigo Testamento. Sua vida estava ligada à vida do povo de Deus e ao próprio Deus. Aprender sobre Moisés significa aprender sobre o povo de Deus e sobre Deus.

A Terra Prometida
A Terra Prometida torna-se um personagem no Pentateuco e em toda a Escritura. A terra é a representação concreta das promessas de Deus a Abraão. O relacionamento do povo de Deus com a terra torna-se um tema constante no Pentateuco.


DICAS DE LEITURAS:
·          LIÇÕES BÍBLICAS DOMINICAL ADULTOS, Aqui
·          LIÇÕES BÍBLICAS DOMINICAL JOVENS, Aqui
·          VIDEOAULAS - Aqui

Fonte: Panorama da Bíblia, CPAD