A Ressurreição de Jesus: Doutrina Fundamental para a Fé Cristã

A doutrina da ressurreição é uma das doutrinas fundamentais da Bíblia (l Co 15.3,4). É mencionada 104 vezes no Novo Testamento: "Lembra- te que Jesus Cristo, que é da descendência de Davi, ressuscitou dos mortos..." (2 Tm 2.8a).

I. A RESSURREIÇÃO DE JESUS - UM GRANDE MILAGRE

1. A ressurreição foi pré-anunciada:
a) Pelos profetas (SI 16.10; At 2.27-31).
b) Pelo próprio Jesus, que falou muitas vezes da sua ressurreição (Mt 12.40; 16.21; 17.22,23; Lc 9.22; Jo 2.19-21; 10.17,18).
2. A ressurreição - um grande milagre

a) O milagre
O mesmo Jesus que foi cravado na cruz e cujo corpo morto foi tirado e envolto em panos (Jo 19.40) e sepultado no sepulcro de José de Arimatéia (Mt 27.59,60) ressuscitou no terceiro dia, deixando o sepulcro vazio (Lc 24.1-3). Ele foi visto e reconhecido pelos seus discípulos. Os sinais dos cravos nas suas mãos e o da lança no seu lado (Jo 20.27; Lc 24.49) serviram para provar que a sua ressurreição era inteiramente corporal.

Jesus disse que Ele não era um espírito, isto é, que Ele havia se manifestado não somente no espírito que deixara o corpo quando Ele morreu, mas que era Ele mesmo, que corporalmente havia ressuscitado (Lc 24.39) com um corpo espiritual (1 Co 15.41; Fp 3.21), não mais sujeito às leis da natureza (Jo 20.19).

Foi Deus quem o ressuscitou (At 2.24,32; 10.40; 13.30; Cl 2.12). Quando Deus planejou a salvação por meio de seu Filho, mostrou a sua grande Sabedoria (1 Co 1.24; Rm 11.33). Quando Ele deu o seu Filho para ser o nosso Salvador, mostrou o seu grande Amor (Jo 3.16). Quando Ele ressuscitou Jesus, mostrou o seu grande Poder (Ef 1.19,20). Deus ressuscitou Jesus pelo poder do Espírito Santo (Rm 8.11; 1 Pe 3.18; Rm 1.4; 1 Co 15.45).

Veja também:

II. AS PROVAS IRREFUTÁVEIS DA RESSURREIÇÃO

1. Muitos têm negado a veracidade da ressurreição de Jesus!

Os sacerdotes em Jerusalém foram os primeiros. 
Quando a notícia da ressurreição de Jesus se espalhou, os próprios sacerdotes entenderam que era verídica. Se eles não tivessem acreditado, teriam imediatamente instaurado um inquérito rigoroso, exigindo o corpo de Jesus, para provar que Ele ainda estava morto. Mas em lugar de exigirem a punição dos guardas, ofereceram-lhes "...muito dinheiro..." (Mt 28.12), recomendando-lhes divulgar a seguinte mentira: "...Vieram de noite os seus discípulos, e, dormindo nós, o furtaram'' (Mt 28.13). Esta mentira se espalhou dentre os judeus.

Com um pouco de raciocínio, os mesmos judeus poderiam ter pensado: "Como será possível que os quatro guardas tivessem dormido ao mesmo tempo, e ainda, como seria possível, que estando eles a dormir soubessem que foram os discípulos que haviam roubado o corpo de Jesus?!

2. A teologia moderna nega a ressurreição de Jesus

Eles procuram explicar os fatos ocorridos de modo racional, a fim de eliminar qualquer vestígio de milagre neste acontecimento. A ressurreição é contra a lei da natureza, e portanto é impossível aceitá-la! Vejamos algumas destas explicações mais apresentadas:

a) Argumento.
Jesus não morreu, mas foi sepultado em estado de coma. Quando Ele depois acordou e recuperou as suas forças, saiu da sepultura, e mostrou-se aos seus discípulos, afirmando que havia ressuscitado. Logo depois, Ele morreu de febre causada por infecção das feridas, e assim desapareceu...

Refutação: É um argumento absurdo só apresentável por alguém totalmente destituído de temor de Deus. Este argumento é um exemplo de acerto da Bíblia quando esta diz: "A sabedoria deste mundo é loucura..." (1 Co 3.19a). Esta hipótese cai imediatamente diante das provas, absolutamente verídicas, sobre a morte de Jesus. O próprio chefe dos carrascos, o centurião, afirmou, diante do governador Pilatos, que Jesus havia morrido (Mc 15.44,45).

VEJA TAMBÉM:
O Posicionamento das Assembleias de Deus Acerca da Bíblia – Aqui
Deus Existe e Tem Personalidade – Aqui
Orientações bíblicas sobre a intimidade do casal - Aqui

Os soldados viram que Jesus já era morto, e ainda para confirmar este fato, furaram-lhe o lado (Jo 19.34). Se Jesus tivesse sido sepultado em estado de coma, como teria forças para se levantar sozinho, remover a pedra para sair do sepulcro (Mt 27.66; Mc 16.3), e isto, sem chamar a atenção da guarda? (Mt 27.65). E como poderia Ele, ensanguentado, fraquíssimo e meio-morto conseguir convencer os seus discípulos de que havia ressuscitado? Jesus não precisava nada disto, porque Ele realmente ressuscitou pelo Poder de Deus.

b) Argumento.
Jesus realmente morreu, mas Ele ressuscitou na idéia dos seus discípulos (Renen e Strauss, teólogos alemãos). Eles estavam tão impressionados com a promessa de que Ele haveria de ressuscitar, que começaram a ver Jesus em visões, até ao ponto de ficarem tão impressionados que chegaram à conclusão de que Ele havia ressuscitado. Eles não tinham a intenção de enganar o mundo, mas a notícia que espalharam era resultado da sua auto- sugestão.

Refutação: Também esta teoria cai por carência total de lógica e de provas. Não houve nenhum vestígio na atitude dos discípulos que desse motivo à auto-sugestões. Pelo contrário, eles não acreditaram na possibilidade de ressurreição (Mc 16.11,13). Jesus até censurou-os por causa da sua incredulidade (Mc 16.14). A ressurreição de Jesus foi para eles uma verdadeira surpresa, e as suas dúvidas só desapareceram, quando viram o seu Mestre ressuscitado.

c) Argumento
Jesus realmente foi sepultado no sepulcro de José de Arimatéia, mas, por conveniência, o seu corpo foi posteriormente mudado para outro sepulcro, de onde Ele, pelo tempo, normalmente desapareceu!

Refutação: Esta teoria também é totalmente distituída de provas. Como poderia alguém trasnferir o corpo de Jesus, sem que a guarda o observasse? Por que José de Arimatéia não informou aos apóstolos que havia mudado o corpo de Jesus? E como é possível eliminar as provas de tanta gente que afirma haver visto Jesus ressuscitado?

d) Argumento
Jesus realmente subiu em Espírito ao Céu, ocasionando o desaparecimento do seu corpo do sepulcro. Depois Ele se manifestou aos seus discípulos em seu corpo celestial, afirmando que havia ressuscitado.

Refutação
Esta teoria não merece a nossa atenção, porque tenta apresentar Jesus como um mentiroso. Jesus mesmo havia falado da sua ressurreição corporal, mostrando, em figura, que o mesmo corpo que descia para "o seio da terra ressuscitaria" (Mt 12.39,40). Outra vez Ele falou em figura a respeito do seu corpo dizendo: "Derribarei este templo e em três dias o levantarei" (Jo 2.19-21). Jesus ressuscitou corporalmente e vive hoje e eternamente! Aleluia!


3. A ressurreição é confirmada com provas irrefutáveis

Ressuscitou verdadeiramente o Senhor (Lc 24.34). Quando alguém afirma que uma coisa aconteceu e outro o contesta, negando que tal coisa tenha acontecido, a questão será decidida pelo depoimento das testemunhas.

Lucas escreveu em Atos 1.3 que Jesus, depois de ter padecido, se apresentou vivo com muitas e infalíveis provas. Vejamos aqui as testemunhas que de modo harmonioso, simples, e sem nenhuma contradição deram um testemunho inteiramente uniforme: Jesus ressuscitou.

a) Maria Madalena.
Quando ela estava junto ao sepulcro vazio, viu Jesus, mas pensava que fosse o hortelão. Quando, porém, Jesus lhe disse: "Maria!" ela o conheceu (Jo 20.11-18).
b) As mulheres que voltavam do sepulcro (Mt 28.9,10)
c) Pedro. Ouviu-se entre os discípulos a notícia: "Já apareceu a Simão" (Lc 24.34; 1 Co 15.5).

d) Os dois discípulos a caminho de Emaús.

Eram Cleofas e talvez Lucas que encontraram Jesus no caminho. Não o reconheceram logo, mas só quando Ele em sua casa partiu o pão. Era realmente Jesus (Lc 24.13-25; Mc 16.12,13).
e) Os discípulos, menos Tomé (Jo 20.24,25).
f) Os discípulos junto com Tomé (Jo 20.26-29).
g) Pedro com mais seis discípulos, os quais haviam ido pescar (Jo 21.1-23).
h) Mais de quinhentos crentes dos quais muitos ainda viviam, quando Paulo, no ano 59, escreveu a sua primeira epístola aos Coríntios (1 Co 15.6).
i) Tiago. (1 Co 15.7) o filho mais velho de José e Maria (Mc 6.3) (Ele, antes da morte de Jesus, não era crente, mas agora havia crido em Jesus).
j) Os discípulos que foram a Galiléia, conforme o convite de Jesus, feito antes da sua morte (Mt 26.32) e logo após a sua ressurreição (Mt 28.10).
k) Os discípulos que assistiram à ascensão de Jesus (Lc 24.40-53; At 1.9-14).
I) Paulo (At 9.3-6; 1 Co 9.1). O encontro de Saulo com Jesus vivo fez do maior perseguidor o maior apóstolo.

4. A grande transformação que a ressurreição causou
O desespero, o desânimo que dominava todos os seguidores de Cristo, após a crucificação, deu agora lugar a uma alegria e ousadia que ninguém mais podia conter. Por toda a parte davam testemunho da ressurreição de Jesus (At 2.24-27, 32,33; 3.15; 4.10,33; 5.30,31 etc.) Se a história da ressurreição não fosse verídica, ela jamais produziria esta tão grande transformação na vida dos discípulos.

5. Domingo, o dia de adoração a Deus
O uso espontâneo do domingo como o dia de adoração a Deus e de descanso semanal, prova que os crentes, que começaram a se reunir no domingo para darem glória àquele que ressuscitou (1 Co 16.2; At 20.7), realmente estavam convictos deste fato.